Mostrar/ocultar menu
105

Relato enviado por: Administrador -

Todo corredor ou corredora experiente fica na dúvida quando se prepara para uma prova alvo de 21km, 30km, 42km ou mais kilometros: volume ou intensidade? Temo como aliar os dois? O que devo priorizar? Eu aguento treinar ambos?

Essas e outras perguntas podem e devem ser relacionadas e inúmeros fatores de treinamento, ou melhor, princípios de treinamento x de quem eu estou falando.

Vamos lá: a maioria dos corredores são corredores amadores, tem na corrida sua fonte de energia e relaxamento, podem correr 3 – 4x na semana sem falar no fortalecimento (que deveria também fazer parte do processo), a rotina diária lhe dá a oportunidade de se exercitar por 1 hora – 1 hora 30min no máximo por dia. Sendo assim, num cálculo básico:

Homem – ritmo 5min/km* Mulher – ritmo 6min/km*
Treinos de 1 hora: 10-12km Treinos de 1 hora: 10km
3x semana x 1 hora: 30 a 36km 3x semana x 1 hora: 30km
1x (fds**) x 2 horas: 20 a 24km 1x (fds**) x 2 horas: 20km
Total em Kilometros: 50 a 60km semanais

Total em Kilometros: 50km semanais

 

 

*levei em conta a média masculina 5min/km e feminina 6min/km.

** fds: geralmente dias em que temos mais tempo para correr.

Ok, então dentro dessa rotina de treinamento como deveria distribuir meus treinos? Bom, lembra dos fatores?

99

1° Princípio da Individualidade: nem todos os corredores aguentam 2 treinos intervalados na semana, ou ainda, não aguentam os kilometros acima mencionados, há quanto tempo esse corredor pratica o esporte, já teve lesões, qual nível de força desse indivíduo.

Assim temos que deverá haver treinos de intensidade controladas para esse corredor, pois é sabido este tipo de treino aumento o VO2max do atleta, melhora o limiar anaeróbio e sua capacidade de trabalho, além da economia de corrida e possibilidade de treinar sua técnica de corrida;

2° Princípio da sobrecarga: imaginando a prova esta daqui 3 meses e o corredor já tem esse volume acima citado de treinos, imagine uma progressão de distâncias de longos e intervalados afim de assegurar a máxima deste corredor;

3° Alternância de cargas: são varias metodologias criadas e pesquisadas, porém, ao meu modo de ver o que mais tem se adaptado a essa rotina que citei tem sido essa alternância entre semanas leves, semanas pesadas, ou treinos leves – treinos fortes. A recuperação é acentuada e a garantia de melhora do corredor é maior.

Aí volto a pergunta inicial: volume ou intensidade? Bom por via de regra todos devem ser trabalhados, entretanto, pensando na rotina e disponibilidade diária de um corredor amador visando uma prova mais longa é imprescindível trabalhar intensidade e volume (ao menos 1x na semana cada um deles) e assim garantir a qualidade dos treinos e o sucesso na sua prova.

Procure um profissional especializado para te orientar e equilibrar essas cargas de treino, afim de teres vida longa nas suas corridas.

Murilo Klein

CREF 014939-G/PR

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)

Veja também:

A emoção dos 42.195m de “terapia”

Relato enviado por: Administrador

Correr maratona realmente tornou o maior vício que possuo. Quando fiz a primeira, já pensava na segunda. Concluída a segunda, só pensava aonde poderia me aventurar no ano seguinte. Decidi então que a minha terceira maratona seria em território alemão, não só por achar um país incrível, mas também por ter como residente lá uma super amiga da época de colégio. A maratona de Colônia (Kölon) passou a meta de 2015. Objetivo traçado foi só encarar os meses de preparação e focar na meta de melhorar do tempo... pensamento básico quando se começa a ganhar confiança na distância. Dia ...Leia mais

Caminho de Santiago – em busca do horizonte

Relato enviado por: Administrador

O Caminho de Santiago Bom, aqui começa o meu relato, dessa peregrinação, que me levou desde Saint Jean Pied de Port até Santiago de Compostela em um percurso tão incrível e surpreendente. É uma viagem que eu percorri uma distancia de 800KM andando, com duração de 32 dias. No Caminho de Santiago, nos encontramos com nossos horizontes mas também com nossas fronteiras. Descobrimos pequenas coisas que não notamos em nossa vida cotidiana. Vemos o valor de um copo de água por ter passado sede ou de um pedaço de pão por haver passado fome. O valor de um sorriso, de uma palavra de ...Leia mais


Twitter

Facebook

Top